• Categorias

  • Arquivos

  • Agenda

    julho 2009
    D S T Q Q S S
    « jun   ago »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  

Crítica: Filhos da Esperança, de Alfonso Cuarón

A ficção científica sempre foi considerada um subgênero cinematográfico, ficando relegada nas premiações a quase sempre se sobressair nas categorias técnicas. No entanto, grandes catarses observadas no mundo do cinema podem ser creditadas a filmes de ficção científica; como Guerra nas Estrelas (1977), de George Lucas; e E.T. – O Extraterrestre (1982); de Steven Spielberg. Viagens no tempo, exploração espacial e vida extraterrestre, manipulação genética, robótica e futuro catastrófico são alguns dos temas que já foram espezinhados à exaustão, e a impressão que se tem é que tudo o que já podia ser tratado em termos de futurismo já o foi.

Então, é com entusiasmo que ficções cientificas inteligentes, como Filhos da Esperança (Children of Men, Reino Unido/EUA, 2006), são recebidas. Os fãs do gênero, que normalmente são um público carente de bons e criativos filmes como Blade Runner (1982), ou mais recentemente Matrix (1999); têm a oportunidade de conhecer o trabalho de Alfonso Cuarón, diretor advindo da boa safra de cineastas mexicanos recente, que também tem como expoentes Guillermo Del Toro e Alejandro González Iñárritu. É interessante notar a característica que une esses três diretores, particularmente Cuarón e Del Toro, que é o arrojo visual de seus filmes. Del Toro, que também dirigiu o divertido Hellboy (2004), obteve sucesso de crítica com o ótimo O Labirinto do Fauno, sem dúvida um dos melhores filmes de 2006. Mas é Alfonso Cuarón que parece manter uma trajetória mais segura e mais diversificada.

Cuarón talvez seja mais conhecido do público brasileiro por filmes como o infantil A Princesinha (1995) e Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (2004), filme este considerado o melhor das adaptações da série de livros sobre o bruxo-aprendiz. Assim, fica clara a importância que Cuarón dá à imagem. E algumas das melhores seqüências de 2006 podem ser vistas em Filhos da Esperança. O filme é uma adaptação do livro homônimo de P. D. James e transcorre na Inglaterra do ano 2027, quando a humanidade atravessa um período com total ausência de natalidade; não há crianças e as pessoas mais novas tem 18 anos, nascidas no final da década de 2000. A possibilidade da extinção da vida humana instaurou caos ao redor do mundo; o Reino Unido encontra-se muito próximo de uma Guerra Civil, com imigrantes sendo tratados como animais e atentados terroristas cometidos por grupos guerrilheiros. Eis que neste ambiente confuso Theodore Faron, interpretado por Clive Owen, um inglês com passado ativista, é encarregado pelas circunstâncias a ajudar uma garota (Claire-Hope Ashitey) que milagrosamente conseguiu engravidar. O filme é conduzido com maestria, com momentos de tensão intensa e humor sutil bem distribuído durante o filme. É também um bom drama, apesar de em determinadas situações os roteiristas Alfonso Cuarón e Timothy Sexton não terem conseguido fugir dos lugares comuns do gênero. Quanto ao elenco principal Clive Owen está bem como sempre, não canso de repetir que ele é um dos grandes atores, se não o maior intérprete, de sua geração. Michael Cane, apesar do personagem óbvio e caricato, também apresenta desempenho consistente. A maior decepção é Julianne Moore, que desde Longe do Paraíso (2002) não tem um papel à sua altura.

Filhos da Esperança não é um filme perfeito, mas é uma ficção científica muitas vezes acima da média. Reflexo dum momento histórico em que não se sabe ao certo que caminhos o ser humano tomará, Cuarón apresenta um futuro desordenado, contudo de forma não usual. Uma película inteligente, emocionante e de certa forma original. Todavia, a pérola do filme é uma curta, porém belíssima seqüência de batalha que deixaria o diretor de fotografia de O Resgate do Soldado Ryan, Janusz Kaminski, boquiaberto. Genial.

Notas (numa escala de 0 a 5):
– Imagem: 5
– Som: 5
– Geral: 4

7 Respostas

  1. Nossa eu já vi esse filme várias vezes, muito bom, mas nunca assisti inteiro infelizmente, nem sabia o nome, agora sei….rs…mas é bom realmente muito bom, aconselho que vejam.

    Quanto ao Cuaron, eu odeio ele, apesar de dizerem que o treceiro Harry Potter foi o melhor, isso é pros não fãs da série e sim pros fãs que só depois de verem os filmes começaram a ler, ele esfaqueou o livro, perdeu muito da sua essencia, tanto que nos outros filmes o Expecto patronum não é um luzinha e sim um animal, como no original, sem contar o lobisomem medonho que ele criou, parecia mais um cachorro pelado…rs

  2. Mesmo com esses pontos, ainda acho “O Prisioneiro de Azkhwhatever” o melhor da série dos filmes, e eu li os livros antes do segundo filme sair, inclusive. Acho o Cuarón fantástico.

    Mas po##@, Fábio! Você não falou da parada mais genial desse filme, que são aquelas sequências enormes e sem cortes! Sacanagem!

  3. Aquelas sequências em tomadas únicas são fabulosas mesmo!

  4. A primeira vez que assisti esse filme pensei.
    Nossa acham que o bebe é Jesus, hauhauahuahuaha
    Mas até que o filme tem todo um lado assim bíblico, o final, a nevoa, o cara como salvador, to com vontade de ver de novo =D

  5. Nunca li nenhum Harry Potter, mas achei o terceiro filme realmente bom. Os dois primeiros foram uma merda, sendo fiéis ou não ao livro.

    Nunca tinha ouvido falar desse filme! Achei a crítica muito boa. Mais um para a minha listinha de filmes, gostei bastante da trama!

  6. heheh Aiken, citei o plano-sequência foda no finalzinho da crítica. Muito fodas esses planos mesmo!

  7. Ai, fabinhooo!!! Ótima crítica!!!! Resenha muito bem escritaaa!!!!
    Meus parabensss!!!

    Continue escrevendooo!!!
    bjssssssss

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: