• Categorias

  • Arquivos

  • Agenda

    setembro 2010
    D S T Q Q S S
    « ago   out »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930  

Crítica Classic: Contato, de Robert Zemeckis

I’d say if it is just us… seems like an awful waste of space.Se você não ficou boquiaberto ao ver pela primeira vez a abertura de Contato (Contact/1997/EUA), meu caro, sinto informá-lo que você não pode ser chamado de cinéfilo. Apesar de ser considerado o primo pobre entre os filmes dirigidos por Robert Zemeckis, Contato talvez seja o filme deste diretor que mais exija a capacidade de concentração e puxe pelo pensar. As questões filosóficas postas pelo falecido astrônomo Carl Sagan, autor do best-seller no qual o longa se baseia, apesar de não irem fundo na polêmica dualidade ciência/fé, chamam a atenção para estes aspectos da vida humana; claro, jogando com chavões aqui e ali, mas nunca sem esquecer a tensão e as reviravoltas “explosão de cérebro” tão características dos bons filmes de ficção científica.

Usarei aqui um artifício implementado por Flyfish em seu Desenterrando Tranqueiras sobre a série Máquina Mortífera. Para tornar a leitura mais agradável, você pode escutar o ótimo tema principal do filme clicando no player acima; cuja composição é do maestro Alan Silvestri, colaborador frequente de Zemeckis. Ellie Arroway (Jodie Foster) é uma astrônoma/engenheira (crianças, por favor, não confundam astronomia com astrologia!) cujo foco das pesquisas, e de certa forma de sua vida, é a busca por ondas eletromagnéticas provenientes de mundos extraterrestres. Após uma sucessão de fracassos e financiamentos cortados o grupo de Ellie consegue identificar o que aparenta ser um sinal genuinamente extraterrestre; dando início a uma história de recheada tensão, jogadas científicas, extremismos religiosos e brigas pela detenção do poder da informação.

Contato, por razões pessoais, está entre as minhas três ficções científicas prediletas. O primeiro motivo está no fato de que foi a primeira vez que vi no cinema cientistas e pesquisadores serem tratados de forma coerente e com o pé no chão, mesmo estando inseridos numa situação fantástica. Outra, gosto muito de Jodie Foster, grande atriz que está meio afastada das produções mais recentes, e que imprime imponência na criação da cientista cética Ellie. Mathew McConaughey, nos tempos em que fazia filmes decentes, também não compromete. Estão ainda no elenco Tom Skerritt e John Hurt, ambos de Alien – O 8o Passageiro.

O tema central do filme é, de fato, como as pessoas lidam com a descrença religiosa advinda, em teoria, pelas descobertas científicas e avanços tecnológicos, e como os extremismos religiosos são tão nocivos quanto a mistura entre ciência, política e a falta de escrúpulos no lidar com o conhecimento. Dito isto, rotular Contato como um filme de ficção-científica é minimizar a experiência. Poucos diretores conseguiriam mesclar a apresentação conceitos científicos e filosóficos simples com um bom drama com a propriedade de Zemeckis. Claro, ele está alicerçado pela mente do grande gênio que foi Carl Sagan, mas a marca de Zemeckis permeia toda a projeção.

Gostaria de dar atenção especial aos efeitos visuais, simplesmente algo fenomenal. A abertura do filme, citada no início deste texto, esté sem dúvida entre os melhores inícios que Hollywood já foi capaz de produzir. À primeira vista pode parecer um preciosismo ou uma rebolada da equipe de efeitos especiais, mas o que é apresentado (de forma sutil, é claro) serve para preparar o espectador para uma questão crucial da trama do filme. Ainda, incrivelmente elegante é o design da máquina mostrada na metade final do filme, e a construção da tensão e do suspense pré-ápice depende bastante da veracidade do bólido.

Contato é, acima de tudo, um arrasa-quarteirões. E o fato de um filme milionário instigar o debate sobre questões da condição humana é sempre bom. Seja você cético ou não, sacerdote da ciência ou estudioso da fé, o que importa é ter em mente o quão danosos são os extremismos; e mais, ciência e religião são aspectos do conhecimento humano mutuamente excludentes, mas isso não significa que não possam coexistir entre os preceitos de cada um. Não deixe de ver, ou rever, este ótimo filme de Robert Zemeckis.

Notas (numa escala de 0 a 5):

Imagem: 5

Som: 5

Geral: 4

*Imagens: The Movie Picture Database

**Trailer:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: